Rua Deputado Octávio Lopes, 195
Centro - Limeira/SP
HOME BLOG Nova Lei Estadual Dispões Sobre o Direito de a Parturiente Optar por Cesariana

Nova Lei Estadual Dispões Sobre o Direito de a Parturiente Optar por Cesariana

Nova Lei Estadual Dispões Sobre o Direito de a Parturiente Optar por Cesariana

Foi promulgada, no último dia 23 de agosto, a Lei Estadual (SP) 17.137/2019, que garante à parturiente a possibilidade de optar pela cesariana, a partir de 39 (trinta e nove) semanas de gestação, bem como a analgesia, mesmo quando escolhido o parto normal.

Consta do texto da nova Lei, o Direito a ser submetida a Cesariana, a partir da 39ª semana de gestação, após ter sido conscientizada e informada acerca dos benefícios do parto normal e dos riscos de sucessivas cesarianas.

A decisão da parturiente deve, obrigatoriamente, ser registrada em Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, com linguagem de fácil compreensão.

Caso haja alguma intercorrência que impossibilite ao facultativo cumprir a diretiva de vontade manifestada pela parturiente, este deve, de forma minuciosa, registrar as razões no prontuário.

O parto normal ainda pode ser opção da parturiente, desde que apresente condições clínicas para tanto, garantindo nesta modalidade o direito à analgesia, não farmacológica e farmacológica.

Resta OBRIGATÓRIO em todas as maternidades e/ou instituições que realizem parto, afixar placa com os seguintes dizeres: “Constituiu direito da parturiente escolher a via de parto, seja normal, seja cesariana, a partir de trinta e nove semanas de gestação”, sempre constando ainda o número da Lei (17.137/2019), que obriga tal informação.

Caso o facultativo divergir da opção da parturiente, este deve encaminhá-la para outro profissional, em estrita observância ao Artigo 4º da mencionada Lei, respeitando ainda o Código de Ética Médica.

O Artigo 1º desta Lei deixa claro que continua vigendo as políticas de saúde adotadas no ano de 2015, para a conscientização e informação acerca dos benefícios do parto normal, oriundas da Ação Civil Pública nº 0017488-30.2010.4.03.6100, que compeliu a Agência Nacional de Saúde Suplementar a editar a Resolução Normativa nº 368/2015, bem como ações do Ministério da Saúde incentivando o parto normal e redução das cesáreas, no entanto, passadas 39 semanas de gestação a escolha passa ser obrigatoriamente da parturiente.

Leia Mais

Card image cap

Médico só pode se anunciar como especialista se concluiu Residência Médica ou passou em prova de tít

CFM consegue derrubar a liminar que permitia médicos com diploma de pós graduação latu sensu a anunciar como especialist

Continuar lendo
Card image cap

Teleodontologia Resolução 226 do Conselho Federal de Odontologia

Em que pese o Conselho Federal de Odontologia ter editado a Resolução CFO – 226, de 04 de junho de 2020, que em sua ementa “Disp&ot

Continuar lendo
Card image cap

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSIDERA O USO DE CLOROQUINA E HIDROXICLOROQUINA EM CONDIÇÕES EXCEPCIO

O Conselho Federal de Medicina, emitiu parecer CFM n° 4/2020, da lavra do Conselheiro Mauro Luiz de Brito Ribeiro, considerando o uso da cloroquina e

Continuar lendo
Todos os direitos reservados
© Copyright 2020 | Gianotto - Sociedade de Advogados