Rua Deputado Octávio Lopes, 195
Centro - Limeira/SP
HOME BLOG Empresa não pode usar o nome do concorrente em mecanismo de busca

Empresa não pode usar o nome do concorrente em mecanismo de busca

Configura concorrência desleal a contratação de serviços de links patrocinados (keyword advertising) prestados por provedores de busca na internet para obter posição privilegiada em resultado de busca em que o consumidor de produto ou serviço utiliza como palavra-chave a marca de um concorrente.

Sendo a livre iniciativa e a livre concorrência fundamentos de nosso ordenamento, a efetivação do objetivo que subsidiam impõe, por certo, a disciplina de um regramento mínimo. Nesse rumo, a normatização favorece disputas leais de mercado, ao mesmo tempo em que censura práticas ilegítimas de obtenção de vantagem, estrutural ao direito concorrencial.

É desleal a concorrência sempre que se verificar a utilização de esforços que se distanciam da ética e perseguem o desvio de clientela e empobrecimento do concorrente.

Com efeito, as empresas que atuam no e-commerce preocupam-se com o formato e funcionalidade de seus endereços virtuais e, cada vez mais, empregam esforços para que seus sites apareçam em posição de destaque nos resultados das buscas na Internet. Agem desta maneira visando atrair o maior número possível de visitantes, potenciais clientes.

Embora seja lícito o expediente dos links patrocinados nos sites de busca, a inexistência de parâmetros ou mesmo proibições referentes às palavras-chaves que acionem a publicidade, escolhidas pelos anunciantes, podem gerar conflitos relacionados à propriedade intelectual.

Diante deste cenário, a utilização, por terceiros, de marcas registradas, como palavras-chave em links patrocinados, com indiscutível desvio de clientela, caracteriza ato de concorrência desleal.

Nesse rumo de ideias, é certo que o estímulo à livre iniciativa, dentro ou fora da rede mundial de computadores, deve conhecer limites, sendo inconcebível reconhecer lícita conduta que cause confusão ou associação proposital à marca de terceiro atuante no mesmo nicho de mercado.

Fonte: STJ REsp 1.937.989-SP

Leia Mais

Card image cap

Farmácia de manipulação deve indenizar por troca de medicamento

O proprietário de uma farmácia de manipulação e duas farmacêuticas deverão pagar indenização de R$ 200

Continuar lendo
Card image cap

CREMESP edita resolução para auxiliar médicos na tomada de decisões para pacientes em fase final da

Foi publicado no Diário Oficial da União (04/11) a Resolução CREMESP 355/2022 que estabelece diretrizes éticas para o aux&

Continuar lendo
Card image cap

Empresa não pode usar o nome do concorrente em mecanismo de busca

Configura concorrência desleal a contratação de serviços de links patrocinados (keyword advertising) prestados por proved

Continuar lendo
Todos os direitos reservados
© Copyright 2023 | Gianotto - Sociedade de Advogados